INDÚSTRIA ABSORVE NOVA RODADA DE VENDAS DOS FUNDOS




O primeiro trimestre de 2017 encerrou com ganhos significativos para as principais bolsas de ações mundiais. O Nasdaq subiu 9.82% no período, o Ibovespa 7.90% e muitos índices europeus tiveram performance acima de 5% – o IBEX 35, da Espanha, foi o que melhor performou com 11.88% de alta.

No mercado de moedas o índice do dólar (DXY) começou janeiro negociando no mais alto patamar desde dezembro de 2002, mas escorregou em março após a frustrada tentativa de Donald Trump mostrar unidade de seu partido no congresso. Dentre as moedas mais importantes o Peso Mexicano foi o maior ganhador nos três primeiros meses do ano, subindo 10.69%, seguido pelo Rublo Russo, e o Won Sul-Coreano – o Real foi a 11ª moeda que melhor performou com alta de 4.09%.

O enfraquecimento do dólar não se traduziu em apetite de compra nas commodities, como mencionei no último comentário, e com isso o CRB escorregou 6.62 pontos, pressionado pelas quedas de 20.75% do suco de laranja, 14.34% do gás natural e 14.10% do açúcar demerara. Alumínio, prata e algodão foram os componentes do CRB que melhor performaram, subindo 16.48%, 14.18% e 9.46%, respectivamente no primeiro trimestre.

O café em Nova Iorque guardou apenas US$ 2.25 centavos por libra da “tentativa” de subir desde 30 de dezembro de 2016, considerando a segunda posição e Londres ganhou US$ 33 por tonelada.

Nesta última semana o contrato “C” começou caindo, mas encontrou compra de comerciais suficientes para absorver a liquidação do último tranche de longs dos fundos – demonstrado no relatório do CFTC de sexta-feira retrasada.

Fundamentalmente não há novidades. Os diferenciais continuam “fracos” para os cafés suaves, firmes dentro do Brasil, mais oferecidos no spot com interesse pontual de compradores e de lado no Vietnã. O robusta, segundo uma casa respeitada, vai encontrar um bom volume de venda em um eventual rally do terminal europeu, ao mesmo tempo que a indústria tem compras sentadas abaixo das cotações atuais.

Seguindo a mesma linha e considerando a diferença entre oferta mundial entre as duas variedades, quase todos analistas e bancos tem recomendado a venda do contrato londrino e a compra do contrato Nova Iorquino, dada a arbitragem estreita.

Os estoques certificados das bolsas ainda dão sinais de uma dificuldade de vendas de cafés para a indústria e/ou dealers, pontos negativos para ficarmos altista para os dois terminais. Os “canudos” do robusta, que caíam há quatro meses, agora voltaram para quase 2.8 milhões de sacas, e o arábica tem 1,361,597 sacas certificadas e 31,170 sacas pendentes para classificação.

As exportações de Honduras não param de surpreender e o país em março embarcou 1,027 milhões de sacas, significativamente maior do que as 633,593 sacas exportadas há um ano.

Os ajustes em geral nas carteiras dos investidores podem eventualmente beneficiar as commodities, ainda mais se acontecer uma maior perda do dólar americano.

O incremento da posição vendida dos fundos, divulgado no COT de 31 de março, também é um fator que pode trazer uma recuperação do terminal no curto-prazo. Olhando apenas para o lado vendido não víamos os fundos com o tamanho da posição atual desde maio de 2016 – e provavelmente já ultrapassaram os 43,580 lotes daquele mês, mas provavelmente não tem os 52,064 contratos de março de 2016.

Sazonalmente em abril o café sobe até a última semana do mês e depois entra em uma descendência que dura até meados de junho – considerando a média dos últimos cinco anos.

Tecnicamente se maio pode atrair compras ao romper US$ 141.00 centavos por libra e um fechamento acima de 141.35 até o dia 7 de abril desencadeará mais compras, pois é aonde está a linha de resistência deste movimento de baixa iniciado em novembro último. O ponto de suporte continua sendo US$ 136.20 e US$ 135.85 centavos por libra-peso.

Uma ótima semana e bons negócios a todos,

*Rodrigo Corrêa da Costa escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consulting




CAFÉ: COTAÇÕES DO ARÁBICA NA BOLSA DE NOVA YORK OPERAM COM LEVE BAIXA NESTA MANHÃ DE 6ª


CRISE POLÍTICA AFUNDA O REAL E PRESSIONA O CAFÉ


QUARTA-FEIRA, 24 DE MAIO, É O DIA NACIONAL DO CAFÉ


EMPRESA QUER IMPLANTAR TRANSPORTE DO CAFÉ POR TREM DO SUL DE MINAS PARA PORTOS DO RJ E SP


CAFÉ: BOLSA DE NY ESTENDE GANHOS NESTA MANHÃ DE 2ª EM AJUSTES APÓS QUEDA ACUMULADA DE MAIS 2% SEMANA PASSADA


CAFÉ: BOLSA DE NOVA YORK REALIZA AJUSTES NESTA MANHÃ 6ª FEIRA APÓS PERDAS DA VÉSPERA


CONAB: SAFRA DE CAFÉ RECUA E PREVISÃO É DE 45,5 MILHÕES DE SACAS


CLIMA PODE FAVORECER SECAGEM DO CAFÉ


CAFÉ: EM AJUSTES, COTAÇÕES DO ARÁBICA NA BOLSA DE NOVA YORK OPERA COM LEVE ALTA NESTA MANHÃ DE TERÇA


SUL DE MINAS GERAIS TEVE CHUVAS ABAIXO DA MÉDIA EM ABRIL, APONTA FUNDAÇÃO PROCAFÉ


VENDAS DE CAFÉ FAZEM PRODUTO SER RESPONSÁVEL POR 48,3% DAS EXPORTAÇÕES DE MG EM 2017


COBRE É A OPÇÃO PARA RETENÇÃO FOLIAR DURANTE A COLHEITA DO CAFÉ


MAIOR FEIRA NACIONAL DA CAFEICULTURA TERÁ PROGRAMAÇÃO DIVERSIFICADA E MELHORIA NA ESTRUTURA


RECOMENDAÇÕES PARA A PRÉ-COLHEITA DO CAFÉ


ATENÇÃO: DEVE CHOVER NA PRÓXIMA SEMANA NAS PRINCIPAIS REGIÕES DE CAFÉ


VARIEDADE DE PLANTA IMUNE À FERRUGEM PROMETE LIVRAR LAVOURAS DE CAFÉ DA DOENÇA EM MG


CAFEICULTOR PODE CONTABILIZAR PREJUÍZOS COM A SAFRA DE CAFÉ


PRODUÇÃO DE CAFÉ AUMENTA 13 VEZES EM QUASE 50 ANOS NO SUL DE MINAS


CAFÉ ESPECIAL: ROAD SHOW NA AUSTRÁLIA PODE RENDER MAIS DE US$ 11 MILHÕES AO BRASIL


CAFEICULTURA ANTECIPA E AUMENTA RECURSOS PARA A SAFRA


CNC ORIENTA QUE CAFEICULTORES NÃO ABRAM NOVAS LAVOURAS NO BRASIL


SAFRA DE CAFÉ EM 2017 PODE FICAR ENTRE 43 MILHÕES E 47 MILHÕES DE SACAS


CAFEZINHO BRASILEIRO VIRA PAIXÃO NACIONAL EM OUTRO PAÍS BEM DISTANTE, A NORUEGA


CAFÉ: COBERTURA MORTA É ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO SOLO


MINISTÉRIO DA AGRICULTURA ELEVA PREÇOS MÍNIMOS DO CAFÉ PARA SAFRA 2017/18


OCORRÊNCIA DE EL NIÑO NESTE ANO PODE MINIMIZAR EXPECTATIVAS DE RECOMPOSIÇÃO DOS ESTOQUES GLOBAIS DE CAFÉ


DÉFICIT "ASSUSTADOR" NA PRODUÇÃO DE CAFÉ EM 2017/18 PODE ESTIMULAR AUMENTO DE PREÇOS, DIZ MAREX SPECTRON


IBGE PROJETA SAFRA BRASILEIRA DE 45,6 MILHÕES DE SACRAS


CÂMARA APROVA PROJETO QUE CRIA POLÍTICA NACIONAL DE CAFÉ DE QUALIDADE


CNC PEDE AGILIDADE NA APROVAÇÃO DE NOVOS PRODUTOS DE COMBATE À BROCA


FÓRUM ABISOLO 2017 - ABISOLO CRIA PROJETO PILOTO COM O INPEV PARA DAR DESTINAÇÃO CORRETA PARA EMBALAGENS DE FERTILIZANTES ESPECIAIS


BRASIL IMPORTANDO CAFÉ: MEDIDA POLÊMICA É CONSIDERADA UMA HERESIA PARA MUITA GENTE


ACS BUSCA PARCERIA COM PORTO DA ESPANHA, 10º PRINCIPAL DESTINO DE CAFÉS BRASILEIROS


INDÚSTRIA ABSORVE NOVA RODADA DE VENDAS DOS FUNDOS


COM CRESCIMENTO ACELERADO, STARBUCKS PROMETE EXPANSÃO


COMEÇA PESQUISA ANUAL DE ESTOQUES PRIVADOS DE CAFÉ


FATURAMENTO BRUTO DA LAVOURA DE CAFÉ NO BRASIL É ESTIMADO


QUAIS OS RISCOS CLIMÁTICOS QUE O CAFÉ PODE ENFRENTAR NO SUL DE MINAS?


CNA ALERTA PARA A POSSIBILIDADE DE REABERTURA DO PRAZO PARA RENEGOCIAÇÃO DOS CONTRATOS DA CAFEICULTURA TRANSFERIDOS PARA DÍVIDA ATIVA DA UNIÃO


ESTOQUE PÚBLICO DE CAFÉ ARÁBICA DEVE CHEGAR AO FIM EM PRÓXIMOS LEILÕES


DEPUTADO ANTÔNIO CARLOS ARANTES (PSDB) É ELEITO PRESIDENTE DA COMISSÃO DE AGROPECUÁRIA


BRASILEIRO JOSÉ SETTE É ELEITO DIRETOR DA ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO CAFÉ


VELHAS RESPOSTAS PARA NOVAS PERGUNTAS


MINISTRO DA INDÚSTRIA ANALISA POSSÍVEL IMPORTAÇÃO E PEDE INFORMAÇÕES DO SETOR CAFEEIRO


GOVERNO DE MICHEL TEMER PODE FICAR NA HISTÓRIA POR PREJUDICAR MILHARES DE CAFEICULTORES


SAÍDA DOS EUA DE TPP AMENIZA RECEIO DE EXPORTADOR AGRÍCOLA


PARA CUSTEAR SAFRA, CAFEICULTORES FORAM OS MAIORES TOMADORES DE CRÉDITO EM DEZEMBRO EM MINAS





COOPERCAM - COOPERATIVA DOS CAFEICULTORES DE CAMPOS GERAIS E CAMPO DO MEIO LTDA.
Av. Dr. Alfredo Barbalho Cavalcanti, 505, Barro Preto - CEP: 37160-000 - Campos Gerais - Minas Gerais - Brasil - Desenvolvimento: SAKEY