SAÍDA DOS EUA DE TPP AMENIZA RECEIO DE EXPORTADOR AGRÍCOLA




A decisão do presidente americano Donald Trump de retirar os Estados Unidos do Acordo de Parceria Transpacífico (TPP), bloco comercial formado por 12 países das Américas, Ásia e Oceania, está sendo comemorada pelo agronegócio brasileiro, que considera que a nova posição americana abre janelas de oportunidade para o Brasil.

Mas, ainda que a saída dos EUA tenha enfraquecido o acordo, o eventual sucesso da TPP poderia trazer um grande impacto tarifário para as vendas externas de produtos agropecuários do Brasil, sobretudo para 15 itens muito exportados pelo país como carnes e miúdos, café, cereais, fumo e açúcar. Essa é a conclusão de um estudo da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), obtido com exclusividade pelo Valor.

As exportações brasileiras de produtos agropecuários - um total de 150 itens - ao bloco de países (EUA incluídos) são estimadas em US$ 13 bilhões ao ano, de acordo com o estudo. Parte desse montante estaria em risco em caso de sucesso do novo bloco comercial.

Segundo o estudo da CNA, se o acordo for aprovado, esses 15 principais produtos provenientes do Brasil continuarão a pagar pesadas tarifas de importação para entrar nos países da TPP, que podem variar de 2,5% no caso do etanol a até 350% no fumo, ou alcançar 234% para cortes e miúdos de frango, por exemplo.

Outra conclusão do documento de 74 páginas, que começou a ser feito antes mesmo da eleição de Trump, é que o fluxo de comércio entre os membros da TPP deverá crescer para produtos como arroz, carne bovina, carne suína, açúcar, produtos lácteos e fumo, tirando, eventualmente, mercado do Brasil.

A receita com as vendas externas dos 150 itens agropecuários do Brasil para os 12 países signatários do TPP somou US$ 13,1 bilhões anuais, em média, entre 2012 e 2014, de acordo com o estudo, o equivalente a 4% das importações desses produtos pelos países do bloco no período. Para o Brasil, no entanto, esses embarques são mais relevantes: eles representaram 16% de tudo que o país exportou em produtos agropecuários para o mundo entre 2012 e 2014.

Só os 15 produtos que o Brasil mais exportou para os membros da TPP nesse mesmo intervalo representaram 20,4% de todas as importações desses mesmos itens agrícolas pelos países do bloco no período, o equivalente a US$ 10,6 bilhões.

Lígia Dutra, superintendente de Relações Internacionais da CNA, e coordenadora do estudo, afirma que a intenção já revelada pelos demais 11 países de manter esforços para avançar nas negociações da TPP, mesmo com a saída dos EUA, ainda preocupa o agronegócio brasileiro. Em sua avaliação, esse quadro serve para que o Brasil acorde, fique atento aos estragos que o acordo poderia causar e busque maior presença em negociações internacionais visando a expansão ou abertura de mercados para os alimentos brasileiros.

Nossa conclusão é que o isolamento comercial do Brasil é ruim. Precisamos de negociações comerciais e não podemos só assistir aos outros países fazerem acordos sem fazer nada, diz. Independentemente do acordo ir para a frente ou não, agora sabemos a desvantagem comercial que o Brasil teria. Mas é lógico que a nova posição americana abre janelas de oportunidade para o Brasil negociar com outros países como México, Japão e Coreia do Sul, acrescenta.

O estudo da CNA também revela que todos os países que estão inseridos no acordo já são grandes importadores ou têm potencial para se tornarem importantes compradores de produtos agropecuários do Brasil poderão facilmente passar a comprar de países dentro do próprio bloco, caso a TPP se concretize. Mais um risco para os produtos brasileiros.

Essa situação tende a se agravar em casos em que determinado país signatário do TPP zere imediatamente suas tarifas de importação para outros países-membros, enquanto o produto brasileiro seguiria pagando tarifas elevadas.

Esse é o caso do milho. Se o acordo fosse aprovado hoje pelo Legislativo do Japão, o país asiático promete que iria parar de cobrar automaticamente uma tarifa de 50% incidente hoje sobre o milho importado. Isso beneficiaria o Peru, por exemplo, e prejudicaria o Brasil.

O café brasileiro também seria afetado. O México, que é signatário da TPP, impõe uma tarifa de 20% para importar café do Brasil. Se o TPP vingar, o país poderia passar a comprar café, sem taxação, de outros membros do bloco, como o Vietnã e o Peru.

O Brasil também seria afetado no segmento de miúdos e cortes de frango. Caso o acordo entre em vigor, o país pode perder vendas ao Japão, que pretende abrir quase 70% de seu mercado em até seis anos para EUA e Canadá.

Haveria ainda chance de o Brasil perder participação no segmento de etanol em mercados como os EUA e o Japão, que compraram dois terços de todo etanol brasileiro vendido ao exterior entre 2012 e 2014. Se os japoneses eliminarem em 11 anos uma alíquota de 15,6% sobre o produto, favoreceriam EUA, Canadá e Peru.

(Fonte: Valor Econômico)



CAFÉ: COTAÇÕES DO ARÁBICA NA BOLSA DE NOVA YORK OPERAM COM LEVE BAIXA NESTA MANHÃ DE 6ª


CRISE POLÍTICA AFUNDA O REAL E PRESSIONA O CAFÉ


QUARTA-FEIRA, 24 DE MAIO, É O DIA NACIONAL DO CAFÉ


EMPRESA QUER IMPLANTAR TRANSPORTE DO CAFÉ POR TREM DO SUL DE MINAS PARA PORTOS DO RJ E SP


CAFÉ: BOLSA DE NY ESTENDE GANHOS NESTA MANHÃ DE 2ª EM AJUSTES APÓS QUEDA ACUMULADA DE MAIS 2% SEMANA PASSADA


CAFÉ: BOLSA DE NOVA YORK REALIZA AJUSTES NESTA MANHÃ 6ª FEIRA APÓS PERDAS DA VÉSPERA


CONAB: SAFRA DE CAFÉ RECUA E PREVISÃO É DE 45,5 MILHÕES DE SACAS


CLIMA PODE FAVORECER SECAGEM DO CAFÉ


CAFÉ: EM AJUSTES, COTAÇÕES DO ARÁBICA NA BOLSA DE NOVA YORK OPERA COM LEVE ALTA NESTA MANHÃ DE TERÇA


SUL DE MINAS GERAIS TEVE CHUVAS ABAIXO DA MÉDIA EM ABRIL, APONTA FUNDAÇÃO PROCAFÉ


VENDAS DE CAFÉ FAZEM PRODUTO SER RESPONSÁVEL POR 48,3% DAS EXPORTAÇÕES DE MG EM 2017


COBRE É A OPÇÃO PARA RETENÇÃO FOLIAR DURANTE A COLHEITA DO CAFÉ


MAIOR FEIRA NACIONAL DA CAFEICULTURA TERÁ PROGRAMAÇÃO DIVERSIFICADA E MELHORIA NA ESTRUTURA


RECOMENDAÇÕES PARA A PRÉ-COLHEITA DO CAFÉ


ATENÇÃO: DEVE CHOVER NA PRÓXIMA SEMANA NAS PRINCIPAIS REGIÕES DE CAFÉ


VARIEDADE DE PLANTA IMUNE À FERRUGEM PROMETE LIVRAR LAVOURAS DE CAFÉ DA DOENÇA EM MG


CAFEICULTOR PODE CONTABILIZAR PREJUÍZOS COM A SAFRA DE CAFÉ


PRODUÇÃO DE CAFÉ AUMENTA 13 VEZES EM QUASE 50 ANOS NO SUL DE MINAS


CAFÉ ESPECIAL: ROAD SHOW NA AUSTRÁLIA PODE RENDER MAIS DE US$ 11 MILHÕES AO BRASIL


CAFEICULTURA ANTECIPA E AUMENTA RECURSOS PARA A SAFRA


CNC ORIENTA QUE CAFEICULTORES NÃO ABRAM NOVAS LAVOURAS NO BRASIL


SAFRA DE CAFÉ EM 2017 PODE FICAR ENTRE 43 MILHÕES E 47 MILHÕES DE SACAS


CAFEZINHO BRASILEIRO VIRA PAIXÃO NACIONAL EM OUTRO PAÍS BEM DISTANTE, A NORUEGA


CAFÉ: COBERTURA MORTA É ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO SOLO


MINISTÉRIO DA AGRICULTURA ELEVA PREÇOS MÍNIMOS DO CAFÉ PARA SAFRA 2017/18


OCORRÊNCIA DE EL NIÑO NESTE ANO PODE MINIMIZAR EXPECTATIVAS DE RECOMPOSIÇÃO DOS ESTOQUES GLOBAIS DE CAFÉ


DÉFICIT "ASSUSTADOR" NA PRODUÇÃO DE CAFÉ EM 2017/18 PODE ESTIMULAR AUMENTO DE PREÇOS, DIZ MAREX SPECTRON


IBGE PROJETA SAFRA BRASILEIRA DE 45,6 MILHÕES DE SACRAS


CÂMARA APROVA PROJETO QUE CRIA POLÍTICA NACIONAL DE CAFÉ DE QUALIDADE


CNC PEDE AGILIDADE NA APROVAÇÃO DE NOVOS PRODUTOS DE COMBATE À BROCA


FÓRUM ABISOLO 2017 - ABISOLO CRIA PROJETO PILOTO COM O INPEV PARA DAR DESTINAÇÃO CORRETA PARA EMBALAGENS DE FERTILIZANTES ESPECIAIS


BRASIL IMPORTANDO CAFÉ: MEDIDA POLÊMICA É CONSIDERADA UMA HERESIA PARA MUITA GENTE


ACS BUSCA PARCERIA COM PORTO DA ESPANHA, 10º PRINCIPAL DESTINO DE CAFÉS BRASILEIROS


INDÚSTRIA ABSORVE NOVA RODADA DE VENDAS DOS FUNDOS


COM CRESCIMENTO ACELERADO, STARBUCKS PROMETE EXPANSÃO


COMEÇA PESQUISA ANUAL DE ESTOQUES PRIVADOS DE CAFÉ


FATURAMENTO BRUTO DA LAVOURA DE CAFÉ NO BRASIL É ESTIMADO


QUAIS OS RISCOS CLIMÁTICOS QUE O CAFÉ PODE ENFRENTAR NO SUL DE MINAS?


CNA ALERTA PARA A POSSIBILIDADE DE REABERTURA DO PRAZO PARA RENEGOCIAÇÃO DOS CONTRATOS DA CAFEICULTURA TRANSFERIDOS PARA DÍVIDA ATIVA DA UNIÃO


ESTOQUE PÚBLICO DE CAFÉ ARÁBICA DEVE CHEGAR AO FIM EM PRÓXIMOS LEILÕES


DEPUTADO ANTÔNIO CARLOS ARANTES (PSDB) É ELEITO PRESIDENTE DA COMISSÃO DE AGROPECUÁRIA


BRASILEIRO JOSÉ SETTE É ELEITO DIRETOR DA ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO CAFÉ


VELHAS RESPOSTAS PARA NOVAS PERGUNTAS


MINISTRO DA INDÚSTRIA ANALISA POSSÍVEL IMPORTAÇÃO E PEDE INFORMAÇÕES DO SETOR CAFEEIRO


GOVERNO DE MICHEL TEMER PODE FICAR NA HISTÓRIA POR PREJUDICAR MILHARES DE CAFEICULTORES


SAÍDA DOS EUA DE TPP AMENIZA RECEIO DE EXPORTADOR AGRÍCOLA


PARA CUSTEAR SAFRA, CAFEICULTORES FORAM OS MAIORES TOMADORES DE CRÉDITO EM DEZEMBRO EM MINAS





COOPERCAM - COOPERATIVA DOS CAFEICULTORES DE CAMPOS GERAIS E CAMPO DO MEIO LTDA.
Av. Dr. Alfredo Barbalho Cavalcanti, 505, Barro Preto - CEP: 37160-000 - Campos Gerais - Minas Gerais - Brasil - Desenvolvimento: SAKEY