REDISTRIBUIÇÃO DOS GANHOS NA CADEIA DE VALOR DO CAFÉ: MISSÃO POSSÍVEL?




Ideias voltadas à redistribuição dos ganhos gerados na cadeia de valor do café são uma constante há décadas. Conforme demonstra o exemplo das políticas de estabilização de preços implementadas pelo Brasil durante um extenso período de tempo, os governos nacionais – e suas “ferramentas de Estado” – geralmente assumiram o protagonismo. Os esforços estatais também extrapolariam fronteiras.

Desde a década de 1930, coalizões de países adotariam inúmeros arranjos com um objetivo semelhante. Basta lembrarmos que, motivados por cálculos de natureza geopolítica, os Estados Unidos promoveram programas que buscavam atenuar a incerteza sobre a remuneração dos cafeicultores tanto no plano regional quanto no multilateral.

Nesse sentido, uma das principais mudanças derivadas da desregulamentação do mercado internacional do café no final dos anos 1980 diz respeito a uma transformação progressiva de mentalidade. Aos poucos, os distintos agentes perceberam que qualquer projeto voltado à redistribuição dos ganhos na cadeia do café demandaria o uso de “ferramentas de mercado”. Um conhecido exemplo é o sistema Fairtrade, certificação que busca incentivar uma melhor remuneração ao café produzido por produtores familiares.

Volta e meia, porém, medidas bem intencionadas esbarram em uma questão fundamental: é possível provocar um choque estrutural nos padrões de distribuição do valor em uma cadeia agroindustrial sem lançar mão da intervenção governamental? Afinal, mercados são descentralizados, com milhões de agentes comprando e vendendo um produto diariamente. Por isso, o êxito de uma iniciativa como a certificação Fairtrade depende diretamente de sua capacidade de convencimento. Se poucas firmas ou cooperativas adotarem o padrão, perde-se qualquer esperança na promoção de uma mudança efetiva no padrão de organização das relações entre os participantes de um complexo nexo de compromissos e contratos.

Por outro lado, a descentralização típica dos mercados implica que qualquer adesão ao projeto deve ser voluntária. Sem a busca contínua por crescimento, seria difícil imaginar a constituição de um poder de barganha capaz de influenciar dramaticamente o padrão de distribuição de valor em uma cadeia. Daí a necessidade de conquistar o maior número possível de mentes e corações, convencendo-os da efetividade e viabilidade de uma ideia. Obviamente, atrair entusiastas para uma causa não raramente significa a busca por posições mais próximas das preferências – e da informação – detidas pelo consumidor médio. No caso do sistema Fairtrade, o convencimento progressivo viria com o relaxamento de objetivos iniciais. Mais especificamente, a busca pela adesão de grandes empresas levou a iniciativa a atenuar a luta pelo aumento da transparência nas relações entre os elos da cadeia do café.

A evolução do sistema Fairtrade angariaria uma série de críticas, assim como reações práticas. Chamada Café for Change, uma resposta recente utiliza recursos obtidos por meio de crowd funding para vender cafés especiais em uma página na Internet. O fundador da empresa, Fernando Morales de la Cruz, é ambicioso. Sua meta é a de competir diretamente com gigantes como a Nespresso, vendendo não apenas uma bebida de qualidade mas, acima de tudo, transparência. Na prática, a Café for Change pretende impulsionar um movimento que garanta a transferência aos cafeicultores de US$ 0,10 por cada xícara de café tomada nos países desenvolvidos. Segundo a organização, atualmente tal cifra é inferior a US$ 0,01.

Bastante crítico com o funcionamento do sistema Fairtrade, o projeto Café for Change fatalmente lidará com o desafio da expansão em meio à descentralização típica dos mercados. Por um lado, Morales de la Cruz acredita que a iniciativa contribuirá para que um número crescente de consumidores perceba o desequilíbrio atual na distribuição do valor gerado ao longo da cadeia do café. Entretanto, as pesquisas mostram que o consumidor médio gasta um escasso tempo obtendo informação sobre a bebida que consome. Dessa maneira, vale a pena questionarmos o que viria primeiro: consumidores melhor informados buscando alternativas “éticas” ou a ação direta de tais empresas para esclarecer o complexo cenário atual? E, caso seja necessário conscientizar o público, qual o custo da estratégia?

Ou ainda, para seguir estimulando a reflexão, serão iniciativas com as características da Café for Change capazes de oferecer uma ferramenta mais persuasiva de convencimento dos consumidores? Até que ponto tal habilidade depende do estabelecimento de coalizões com agentes dotados de uma visão de mundo distinta? No caso do sistema Fairtrade, a busca por maior relevância – e acesso à atenção dos consumidores – levou a uma aproximação com grandes empresas e o relaxamento da luta pela transparência nas relações entre os elos da cadeia do café. No caso do projeto Café for Change, dúvida relevante se refere à maleabilidade da meta de transferência de US$ 0,10 por xícara de café. Supondo a adesão de milhões de entusiastas à ideia, haveria a intenção de redistribuir um valor ainda maior? Será o desafio da desigualdade melhor explicado em termos absolutos ou relativos?

É bem verdade, a Café for Change emerge com o objetivo de competir com outras empresas. Por sua vez, sistemas como o Fairtrade têm a vocação de regular as ações dos participantes em um mercado. Por isso mesmo, talvez o projeto consiga contornar algumas das barreiras enfrentadas por sistemas de certificação. Ainda assim, enfrentará outros desafios típicos de uma empresa iniciante em um mercado bastante competitivo. Independentemente das respostas dadas por Morales de la Cruz e sua equipe nos próximos meses, não está claro qual seria o mecanismo que impediria a captura de sua mensagem de redistribuição dos ganhos. Afinal, em um sistema descentralizado inexiste qualquer garantia de que pessoas venham a obter informação de uma determinada fonte. Se os concorrentes reforçarem a mensagem de que também dão atenção para a transparência na relação com os cafeicultores, quem separará o joio do trigo?

Se há algo que a discussão acima revela, é a importância das decisões dos consumidores para a concretização de mudanças em um determinado mercado. Explicar a milhões de consumidores que uma determinada empresa distribui melhor o valor gerado na cadeia de valor exige tempo, dinheiro e a atenção do público. Trata-se de uma missão difícil, para dizer o mínimo.

(Fonte: Café Point)




EM ÉPOCA DE COLHEITA, PRODUTORES DEVEM HARMONIZAR ATIVIDADES


Colheita da safra 2017/18 passa de 90% no Brasil, aponta Safras & Mercado


PREÇOS DO CAFÉ ARÁBICA FICAM FIRMES NA PRIMEIRA QUINZENA DE AGOSTO


CAFEICULTORES NÃO ACEITAM AS BASES OFERECIDAS PELOS COMPRADORES


CAFÉ BRASILEIRO TEM QUEDA DE 13% NAS EXPORTAÇÕES PARA A ALEMANHA


APÓS TOMBO EM JULHO, EXPORTAÇÃO DE CAFÉ DEVE SE NORMALIZAR ATÉ SETEMBRO, DIZ CECAFÉ


CAFÉ : SAFRAS & MERCADO ESTIMA COLHEITA 2017/18 NO BRASIL EM 86%


BROCA: "FALTA DE PRODUTOS EFICIENTES TRARÁ PREJUÍZOS AO BRASIL", DIZ ESPECIALISTA


COLHEITA DE CAFÉ CONILON ESTÁ PRATICAMENTE FINALIZADA, MAS NEGÓCIOS NO BRASIL SEGUEM LIMITADOS


COLHEITA DE CAFÉ NO BRASIL CHEGA EM 80%, INFORMA SAFRAS & MERCADO


BRASIL EMBARCA 1,6 MILHÃO DE SACAS EM JULHO (-7,9% ANTE JULHO/16)


SAFRA BRASILEIRA É INFERIOR AO QUE PRECISAMOS


EXPORTAÇÃO DE CAFÉ SOLÚVEL DO BRASIL EM 2017 PODE CAIR A NÍVEL DE 2010


REDISTRIBUIÇÃO DOS GANHOS NA CADEIA DE VALOR DO CAFÉ: MISSÃO POSSÍVEL?


O CAFÉ PARECE APENAS SEGUIR O CRB E NÃO QUALQUER FUNDAMENTO


CAFÉ: SAFRAS & MERCADO ESTIMA COLHEITA 2017/18 NO BRASIL EM 73%


PICÃO-PRETO: SAIBA MAIS SOBRE A ERVA PERSISTENTE NAS LAVOURAS DE CAFÉ


HÁBITO DE BEBER MAIS DE UMA XÍCARA DE CAFÉ POR DIA REDUZ RISCO DE MORTE EM 18%


10 PASSOS PARA ABRIR SUA CAFETERIA


COCA-COLA INVESTE EM CAFÉS ESPECIAIS NO BRASIL COM CAFÉS BRASILEIROS


MOTOCICLETAS ADAPTADAS PODEM AUXILIAR NOS TRATOS DAS LAVOURAS DE CAFÉ


CAFÉ: PREÇO SOBE, MAS COMERCIALIZAÇÃO É LENTA


EXPORTAÇÃO DE CAFÉ DO BRASIL FICA PRATICAMENTE ESTÁVEL NA 1ª QUINZENA DE JULHO APÓS FORTE QUEDA NO ANO SAFRA 2016/17


ABIC LANÇA APLICATIVO PARA CONSULTA DO CONSUMIDOR AOS CAFÉS CERTIFICADOS


BROCA-DO-CAFÉ PODE EXPLODIR NOS CAFEZAIS DO BRASIL, SAINDO DO CONTROLE


SCA CONVIDA TORREFADORES ESPECIALIZADOS E VAREJISTAS PARA PESQUISA GLOBAL


EXPORTAÇÃO DE CAFÉ DO BRASIL CAI 7,4% EM 2016/17, DIZ CECAFÉ


SAFRA 2017/2018: IBGE MANTÉM ESTÁVEL A PRODUÇÃO DE CAFÉ DO BRASIL


CAFÉ/OIC: PAÍSES EXPORTADORES TÊM GRANDES ESTOQUES PARA MÊS “CRÍTICO” DE JULHO


EVENTO DE CAFÉ APRESENTARÁ AÇÕES DE COMBATE A MUDANÇAS CLIMÁTICAS


RECOMENDAÇÕES PARA A PRODUÇÃO DE CAFÉS ESPECIAIS - ORIENTAÇÃO DO INCAPER


"NÃO HÁ RISCOS PARA O CAFÉ NESTE INVERNO", AFIRMA METEOROLOGISTA


EM VISITA AO BRASIL, DIRETORA INTERNACIONAL DA ASSOCIAÇÃO APRESENTOU AÇÕES, DESAFIOS E METAS


CAFÉ VERDE: EXPORTAÇÕES CAEM 7,7% EM COMPARAÇÃO COM JUNHO DE 2016


COLHEITA DE CAFÉ NO BRASIL CHEGA A 44%, INFORMA SAFRAS & MERCADO


SAFRA 2018: PRODUTORES NÃO DEVEM SE PRENDER EM ESPECULAÇÕES, DIZ CNC


COMISSÃO DE AGRICULTURA APROVOU PARECER DE MELLES QUE RESTRINGE IMPORTAÇÃO DE CAFÉ


ALERTA AO MERCADO: QUEDA DE RENDIMENTO DO CAFÉ ESTÁ ASSUSTANDO OS PRODUTORES


CAFÉ: CONTROLE DA BROCA TEM QUE COMEÇAR JÁ NA COLHEITA


PRIMEIRA CAFETERIA SERVIDA POR PESSOAS COM SÍNDROME DE DOWN É ABERTA EM SP


CNC DEFENDE QUE RECURSOS DO FUNCAFÉ SEJAM APLICADOS APENAS NO SETOR


CAFÉ: COTAÇÕES DO ARÁBICA NA BOLSA DE NOVA YORK OPERAM COM LEVE BAIXA NESTA MANHÃ DE 6ª


CRISE POLÍTICA AFUNDA O REAL E PRESSIONA O CAFÉ


QUARTA-FEIRA, 24 DE MAIO, É O DIA NACIONAL DO CAFÉ


EMPRESA QUER IMPLANTAR TRANSPORTE DO CAFÉ POR TREM DO SUL DE MINAS PARA PORTOS DO RJ E SP


CAFÉ: BOLSA DE NY ESTENDE GANHOS NESTA MANHÃ DE 2ª EM AJUSTES APÓS QUEDA ACUMULADA DE MAIS 2% SEMANA PASSADA


CAFÉ: BOLSA DE NOVA YORK REALIZA AJUSTES NESTA MANHÃ 6ª FEIRA APÓS PERDAS DA VÉSPERA


CONAB: SAFRA DE CAFÉ RECUA E PREVISÃO É DE 45,5 MILHÕES DE SACAS


CLIMA PODE FAVORECER SECAGEM DO CAFÉ


CAFÉ: EM AJUSTES, COTAÇÕES DO ARÁBICA NA BOLSA DE NOVA YORK OPERA COM LEVE ALTA NESTA MANHÃ DE TERÇA


SUL DE MINAS GERAIS TEVE CHUVAS ABAIXO DA MÉDIA EM ABRIL, APONTA FUNDAÇÃO PROCAFÉ


VENDAS DE CAFÉ FAZEM PRODUTO SER RESPONSÁVEL POR 48,3% DAS EXPORTAÇÕES DE MG EM 2017


COBRE É A OPÇÃO PARA RETENÇÃO FOLIAR DURANTE A COLHEITA DO CAFÉ


MAIOR FEIRA NACIONAL DA CAFEICULTURA TERÁ PROGRAMAÇÃO DIVERSIFICADA E MELHORIA NA ESTRUTURA


RECOMENDAÇÕES PARA A PRÉ-COLHEITA DO CAFÉ


ATENÇÃO: DEVE CHOVER NA PRÓXIMA SEMANA NAS PRINCIPAIS REGIÕES DE CAFÉ


VARIEDADE DE PLANTA IMUNE À FERRUGEM PROMETE LIVRAR LAVOURAS DE CAFÉ DA DOENÇA EM MG


CAFEICULTOR PODE CONTABILIZAR PREJUÍZOS COM A SAFRA DE CAFÉ


PRODUÇÃO DE CAFÉ AUMENTA 13 VEZES EM QUASE 50 ANOS NO SUL DE MINAS


CAFÉ ESPECIAL: ROAD SHOW NA AUSTRÁLIA PODE RENDER MAIS DE US$ 11 MILHÕES AO BRASIL


CAFEICULTURA ANTECIPA E AUMENTA RECURSOS PARA A SAFRA


CNC ORIENTA QUE CAFEICULTORES NÃO ABRAM NOVAS LAVOURAS NO BRASIL


SAFRA DE CAFÉ EM 2017 PODE FICAR ENTRE 43 MILHÕES E 47 MILHÕES DE SACAS


CAFEZINHO BRASILEIRO VIRA PAIXÃO NACIONAL EM OUTRO PAÍS BEM DISTANTE, A NORUEGA


CAFÉ: COBERTURA MORTA É ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO SOLO


MINISTÉRIO DA AGRICULTURA ELEVA PREÇOS MÍNIMOS DO CAFÉ PARA SAFRA 2017/18


OCORRÊNCIA DE EL NIÑO NESTE ANO PODE MINIMIZAR EXPECTATIVAS DE RECOMPOSIÇÃO DOS ESTOQUES GLOBAIS DE CAFÉ


DÉFICIT "ASSUSTADOR" NA PRODUÇÃO DE CAFÉ EM 2017/18 PODE ESTIMULAR AUMENTO DE PREÇOS, DIZ MAREX SPECTRON


IBGE PROJETA SAFRA BRASILEIRA DE 45,6 MILHÕES DE SACRAS


CÂMARA APROVA PROJETO QUE CRIA POLÍTICA NACIONAL DE CAFÉ DE QUALIDADE


CNC PEDE AGILIDADE NA APROVAÇÃO DE NOVOS PRODUTOS DE COMBATE À BROCA


FÓRUM ABISOLO 2017 - ABISOLO CRIA PROJETO PILOTO COM O INPEV PARA DAR DESTINAÇÃO CORRETA PARA EMBALAGENS DE FERTILIZANTES ESPECIAIS


BRASIL IMPORTANDO CAFÉ: MEDIDA POLÊMICA É CONSIDERADA UMA HERESIA PARA MUITA GENTE


ACS BUSCA PARCERIA COM PORTO DA ESPANHA, 10º PRINCIPAL DESTINO DE CAFÉS BRASILEIROS


INDÚSTRIA ABSORVE NOVA RODADA DE VENDAS DOS FUNDOS


COM CRESCIMENTO ACELERADO, STARBUCKS PROMETE EXPANSÃO


COMEÇA PESQUISA ANUAL DE ESTOQUES PRIVADOS DE CAFÉ


FATURAMENTO BRUTO DA LAVOURA DE CAFÉ NO BRASIL É ESTIMADO


QUAIS OS RISCOS CLIMÁTICOS QUE O CAFÉ PODE ENFRENTAR NO SUL DE MINAS?


CNA ALERTA PARA A POSSIBILIDADE DE REABERTURA DO PRAZO PARA RENEGOCIAÇÃO DOS CONTRATOS DA CAFEICULTURA TRANSFERIDOS PARA DÍVIDA ATIVA DA UNIÃO


ESTOQUE PÚBLICO DE CAFÉ ARÁBICA DEVE CHEGAR AO FIM EM PRÓXIMOS LEILÕES


DEPUTADO ANTÔNIO CARLOS ARANTES (PSDB) É ELEITO PRESIDENTE DA COMISSÃO DE AGROPECUÁRIA


BRASILEIRO JOSÉ SETTE É ELEITO DIRETOR DA ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO CAFÉ


VELHAS RESPOSTAS PARA NOVAS PERGUNTAS


MINISTRO DA INDÚSTRIA ANALISA POSSÍVEL IMPORTAÇÃO E PEDE INFORMAÇÕES DO SETOR CAFEEIRO


GOVERNO DE MICHEL TEMER PODE FICAR NA HISTÓRIA POR PREJUDICAR MILHARES DE CAFEICULTORES


SAÍDA DOS EUA DE TPP AMENIZA RECEIO DE EXPORTADOR AGRÍCOLA


PARA CUSTEAR SAFRA, CAFEICULTORES FORAM OS MAIORES TOMADORES DE CRÉDITO EM DEZEMBRO EM MINAS





COOPERCAM - COOPERATIVA DOS CAFEICULTORES DE CAMPOS GERAIS E CAMPO DO MEIO LTDA.
Av. Dr. Alfredo Barbalho Cavalcanti, 505, Barro Preto - CEP: 37160-000 - Campos Gerais - Minas Gerais - Brasil - Desenvolvimento: SAKEY