VELHAS RESPOSTAS PARA NOVAS PERGUNTAS




A cafeicultura nacional foi abalada recentemente com a notícia da tentativa de importação de café para suprir a indústria de solúvel e torrefação.

Como previsto houver manifestações apaixonadas de ambos os lados e o debate perdeu a racionalidade.

Em setembro de 2016, ainda sob de uma seca muito severa a situação das lavouras capixabas era desesperadora e prenunciava falta de produto para suprir a indústria e as exportações.

Em dezembro do ano passado, a indústria propôs importar 430 mil sacas mensais de dezembro/16 a abril/2017, sendo que 230 mil sacas serão reexportadas pela indústria de solúvel na modalidade de drawback. Depois de muito debate, a CONAB fez um levantamento de estoques que chegou a 2,2 milhões de sacas e os cafeicultores capixabas dizem que o estoque é de 4,2 milhões de sacas. Até esse momento, o imbróglio continua sem solução.      

Nesse texto pretende levá-los à reflexão sobre como os desafios do setor vem sendo enfrentados pela cadeia produtiva do arábica e do robusta.

No mundo inteiro, as empresas e pessoas têm um sócio majoritário chamado Governo e a ele todos recorrem para tudo e por tudo, e, na maioria das vezes a resposta é sempre negativa ou abaixo das expectativas.

Portanto, a primeira resposta velha para as demandas do setor é esperar que a União resolva os impasses entre produção, indústria e mercado consumidor. O Governo por mais que queira é um intermediador de conflitos e suas decisões tem múltiplos impactos e por conta disso, na maioria das vezes, adota a posição que oferece o menor risco ou deixa que como diz o dito popular: “no sacolejo da carroceria as melancias se ajeitam”.

Outra resposta antiga é o meu custo de produção é R$ X e o café nesse preço de hoje não tem como continuar na atividade. Depois do advento das bolsas de valores e derivativos que são muito mais antigas do que muitos pensam, aliadas à internet e a velocidade da circulação de moedas e informações, o peso da relação produção X consumo, que era fator de definição do preço perdeu o grau de importância e tornou-se apenas o “fator de ajuste” das apostas feitas antes do jogo começar, ou seja, quando chega aos 44 minutos do 2º tempo os jogadores refazem as suas posições alinhando seus palpites para o resultado do jogo nesse momento.

Continuando com uma das verdades de antanho, se hoje está por R$ X amanhã vai subir mais um pouco porque a safra vai ser pequena ou no ano que vem vai faltar café etc. A variação de preço é normal e natural e obedece a lógica de que quando a oferta é maior que a demanda o preço cai e vice versa, mas não é só o preço do produto físico no armazém mas principalmente o preço do mercado futuro e de opções, já que os agentes de mercado não trabalham pensando na safra que está na árvore, mas investem na alta ou na baixa da safra que ainda não floresceu.

Mais uma das falácias bem frequentes, o produtor fica com a menor parte porque uma xícara de café na cidade é R$ 5,00 e com um quilo de café dá para fazer 142 xícaras de expresso e 200 de café coado. Acontece que o café é parte, principal parte é verdade, de uma enorme engrenagem que começa bem antes da porteira, passa por ela até chegar nas mãos do consumidor final e nesse percurso somam-se “n” pessoas, processos, insumos e impostos, e, todos têm que ganhar uma parte, uns ficam com um quinhão maior é verdade, mas todos precisam ter lucro para a roda da economia continuar girando.

E na minha opinião a resposta arcaica é que não adianta fazer nada porque o Brasil, os políticos, os líderes do setor não têm jeito e é melhor eu cuidar da minha vida e tentar resolver meus problemas sozinho.

Depois de falar das respostas antigas é hora de falar das novas perguntas.

Você sabia que o FNDE-Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação, do Ministério da Educação não proíbe o café na merenda escolar das crianças da primeira fase do ensino fundamental?

Você já se deu conta de quantos pessoas de até 30 anos das suas relações pessoais não toma café regularmente ou não tomam dia nenhum?

Você já parou para pensar porque os demais agentes do mercado de café não fazem nenhum esforço para que o mercado de opções e de futuros decole?

 Você gosta de especular?

 O que Você está fazendo em favor da sua atividade?

Porém, ser engenheiro de obra pronta é o melhor dos mundos porque apontamos os defeitos, criticamos e seguimos em frente sem fazer nada.

Por outro lado, dar palpites e querer ser o “dono da verdade” também é muito fácil.

Depois de tudo que já escrevi quero levantar mais uns pontos para despertar a sua atenção.

Com relação ao Governo, é preciso ter em mente que nenhum governo vai pensar duas vezes quando a solução apresentada representar risco de inflação ou desemprego, já que os políticos em geral só têm medo de uma única coisa na vida que é perder o seu voto na próxima eleição. Assim, o caminho é cobrar dos representantes uma ação firme em defesa da classe, confrontá-los claramente quando eles não agirem dessa forma, retirar o apoio e financiamento para as próximas eleições e lançar novas lideranças que se comprometam com as causas e projetos de interesse geral. 

Quem define o preço é sempre o consumidor. Isso se aplica a gôndola do supermercado e também na hora de comprar os insumos. Por isso, é preciso levar em conta que a “facilidade” tem preço e na maioria das vezes ele está muito bem disfarçado.

Um exemplo clássico são as operações de troca de adubo por café. São muito mais fáceis, rápidas e desburocratizadas que os financiamentos bancários ou operações de mercado. Contudo, quem está na ponta compradora não tem como discutir o preço da mercadoria e isso se aplica, também, aos bancos onde existe um pedágio caro nas operações.

A resposta é planejar, negociar e ter o seu custo de produção real protegido através dos contratos de opção de venda onde se garante a renda e o risco que se corre é de ganhar mais caso o produto suba além do preço de garantia. É difícil, é complicado, é trabalhoso, tem pouca gente confiável que atua no mercado, sim é tudo isso, mas quanto mais se demorar para aprender mais dinheiro, fios de cabelo e saúde você vai perder.

E como eu faço para que o meu quinhão dos R$ 5,00 da xícara aumente? Basicamente investindo na melhoria do seu produto, no beneficiamento e industrialização através de associações, cooperativas ou mesmo individualmente.

Cito o exemplo dos cafeicultores de Carmo de Minas e Divinolândia na agregação de valor e do pessoal do Cerrado Mineiro que agregou valor através do associativismo resultou no reconhecimento internacional da “Denominação de Origem para produção de Café” para 53 municípios da região.      

Penso que se todos se unissem em torno de instituições reconhecidas pela sua expertise haveria uma revolução positiva na cafeicultura. Vou mencionar instituições que fazem um trabalho excepcional em favor do setor que são: a BSCA-Associação Brasileira dos Cafés Especiais, Fundação PROCAFÉ, INCAPER e EMPBRAPA-Café.      

Com relação a hora de vender ninguém tem a resposta certa, mas com toda certeza vender em lotes em cada movimento de alta é a melhor postura. Isso é tão óbvio que a grande maioria não acredita e muitas vezes faz igual a aquela fábula antiga da “galinha dos ovos de ouro”, onde por ganância o dono matou a galinha pensando encontra dentro dela milhares de ovos!

Produtor vive dizendo que detesta “especulador” e que esse ser fica com todo o lucro da lavoura. Porém, pensem comigo, quando eu seguro a minha produção e não vendo mesmo quando o preço está subindo, que papel estou assumindo no mercado? Quem produz é sempre vendedor e nunca especulador! Nesse caso, assim como na fábula a esperteza demais engole o dono.

Como disse anteriormente, o mercado olha para as gemas que ainda nem apontaram nós olhamos para as flores e os frutos na árvore.    

Percebe como essa diferença de visão do negócio café impacta diretamente o seu resultado, seu planejamento e sua vida?      

Quem serão os consumidores de café no Brasil nos próximos 40 anos?

Os estudos da ABIC demonstram que as classes C, D e E são os grandes consumidores de café e são extremamente sensíveis as variações de preço.

Outra constatação é que apesar do consumo entre os jovens estar em alta, existe um gap dos anos 1980 a até muito poucos anos atrás de que todos diziam que o café fazia mal à saúde e quem nasceu nesse período não teve café na sua infância e não desenvolveu o hábito do consumo regular diário.

Somado a tudo isso os gestores da merenda escolar continuam restringindo o acesso ao café nas escolas públicas.

 Por outro lado, o consumo mundial cresce bem mais que o consumo interno pelas mais diversas razões.

 Para que o nosso negócio continue perene é preciso aumentar o consumo interno, melhorar qualidade para agregar valor, exportar cada vez mais produto industrializado e abrir novos mercados nos países onde o consumo de café é baixo ou inexistente, mas sem pensar na China como solução de todos os problemas. A China é concorrente e não mercado em tudo que dá lucro.

Que tal investir nos países emergentes do leste europeu, Ásia e Oriente Médio?

Por fim, a resposta para a maioria dos problemas está na velha máxima que duas cabeças pensam melhor que uma.

Quando o pessoal do algodão sentiu o peso dos subsídios americanos, depois de passar anos atrás de uma ação direta do Governo Federal, se reuniram, se cotizaram, contrataram um advogado e entraram com uma ação na OMC, o tempo passou e ganharam a ação e uma indenização de US$ 300 milhões e mais uma parcela anual para investir na educação dos trabalhadores.

Hoje somos gigantes na exportação de proteína animal e isso foi muito mais pela ação direta das associações de produtores e industriais do que pela ação governamental.

 Quem está em 1.500 municípios e sempre foi o motor que impulsionou esse País não pode por falta de união, comprometimento e liderança sucumbir diante dos desafios impostos pelos mais 80 competidores internacionais.

Parafraseando os torcedores nos estádios, EU ACREDITO NA CAFEICULTURA BRASILEIRA, mesmo estando o jogo 7 a 1 para eles e o 2º tempo já começou! Dá para virar esse jogo e só depende de Você! 

 Janio Zeferino da Silva

 *Diretor da Agroeasy Consultoria Agronegócios  




EM PALESTRA NA SIC, PLATAFORMA GLOBAL DO CAFÉ APRESENTARÁ APLICATIVO


PELO 3º ANO CONSECUTIVO, CONSUMO DE CAFÉ EXCEDE A PRODUÇÃO EM 2016/2017


PODA EM SISTEMA SAFRA ZERO É A SALVAÇÃO DA CAFEICULTURA DE MONTANHA


CHUVA DE GRANIZO EM CAMPOS GERAIS CAUSA PREJUÍZO A PRODUTORES DE CAFÉ


MERCADO DO CAFÉ TEM DÉFICIT PELO 3º ANO


CAFEZAIS COM MUITAS FLORES INDICAM FALTA DE FOLHAS NO INTERIOR DA LAVOURA


MESMO COM AS CHUVAS, AINDA NÃO É A ÉPOCA DE INICIAR A ADUBAÇÃO


"DADOS DIVULGADOS PELO CECAFÉ SÃO PREOCUPANTES", DIZ EDUARDO CARVALHAES


BAIXOS GANHOS DOS CAFEICULTORES REDUZEM A OFERTA DO GRÃO NO MERCADO


CAFÉS IMPORTADOS COM VALOR AGREGADO TÊM PREÇO MÉDIO 77 VEZES SUPERIOR AOS EXPORTADOS PELO BRASIL


EM SETEMBRO, EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE CAFÉ EM GRÃO TEVE QUEDA DE 21%


COMO MINIMIZAR OS IMPACTOS DA SECA E DO CALOR EXCESSIVO NO CAFÉ?


CAFÉ: "MERCADO BRASILEIRO TEM TRADIÇÃO, MAS PERDEU A HEGEMONIA", DIZ ABIC


DEVIDO AOS BAIXOS GANHOS, CAFEICULTORES PENSAM EM ABANDONAR A ATIVIDADE


PRODUTORES DE CAFÉ PODEM ESTAR À ESPERA DE COTAÇÃO MAIS ALTA


CONSUMO DE CAFÉ NO BRASIL PODE CRESCER ATÉ 3,5% ESTE ANO, INFORMA ABIC


PREÇO E INDEFINIÇÃO SOBRE SAFRA 2018 PREJUDICAM OFERTA DE CAFÉ NO BRASIL


BRASIL: PRODUÇÃO DE CAFÉ DEVE ALCANÇAR 44,77 MILHÕES DE SACAS


A XÍCARA VAI SECAR?


LAVOURAS DE CAFÉ JÁ ESTÃO COM POTENCIAL PRODUTIVO COMPROMETIDO PARA A PRÓXIMA SAFRA, AFIRMA ESPECIALISTA


CAFEZAL: IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO EM MALHA SERVE PARA PEQUENOS PROJETOS


CAFÉ: ESTIMATIVA DE PRODUÇÃO FOI REVISADA PARA 2,9 MILHÕES DE TONELADAS


ADEUS GRANDE SAFRA


O CRESCIMENTO DA AGRICULTURA ORGÂNICA E A BUSCA POR UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL


DEMANDA POR FERTILIZANTES NO MUNDO DEVE CHEGAR A 200 MILHÕES DE TONELADAS EM 2021/2022, SEGUNDO DADOS DA IFA


SAFRA 2017/2018: NO BRASIL, COLHEITA CHEGA A 94% DA PRODUÇÃO ESPERADA


NA CÂMARA, PRODUTORES DE CAFÉ RECLAMAM DO BAIXO PREÇO DO PRODUTO


ALÉM DO AUMENTO NA PRODUÇÃO, CAFEICULTORES BUSCAM QUALIDADE


EM ÉPOCA DE COLHEITA, PRODUTORES DEVEM HARMONIZAR ATIVIDADES


Colheita da safra 2017/18 passa de 90% no Brasil, aponta Safras & Mercado


PREÇOS DO CAFÉ ARÁBICA FICAM FIRMES NA PRIMEIRA QUINZENA DE AGOSTO


CAFEICULTORES NÃO ACEITAM AS BASES OFERECIDAS PELOS COMPRADORES


CAFÉ BRASILEIRO TEM QUEDA DE 13% NAS EXPORTAÇÕES PARA A ALEMANHA


APÓS TOMBO EM JULHO, EXPORTAÇÃO DE CAFÉ DEVE SE NORMALIZAR ATÉ SETEMBRO, DIZ CECAFÉ


CAFÉ : SAFRAS & MERCADO ESTIMA COLHEITA 2017/18 NO BRASIL EM 86%


BROCA: "FALTA DE PRODUTOS EFICIENTES TRARÁ PREJUÍZOS AO BRASIL", DIZ ESPECIALISTA


COLHEITA DE CAFÉ CONILON ESTÁ PRATICAMENTE FINALIZADA, MAS NEGÓCIOS NO BRASIL SEGUEM LIMITADOS


COLHEITA DE CAFÉ NO BRASIL CHEGA EM 80%, INFORMA SAFRAS & MERCADO


BRASIL EMBARCA 1,6 MILHÃO DE SACAS EM JULHO (-7,9% ANTE JULHO/16)


SAFRA BRASILEIRA É INFERIOR AO QUE PRECISAMOS


EXPORTAÇÃO DE CAFÉ SOLÚVEL DO BRASIL EM 2017 PODE CAIR A NÍVEL DE 2010


REDISTRIBUIÇÃO DOS GANHOS NA CADEIA DE VALOR DO CAFÉ: MISSÃO POSSÍVEL?


O CAFÉ PARECE APENAS SEGUIR O CRB E NÃO QUALQUER FUNDAMENTO


CAFÉ: SAFRAS & MERCADO ESTIMA COLHEITA 2017/18 NO BRASIL EM 73%


PICÃO-PRETO: SAIBA MAIS SOBRE A ERVA PERSISTENTE NAS LAVOURAS DE CAFÉ


HÁBITO DE BEBER MAIS DE UMA XÍCARA DE CAFÉ POR DIA REDUZ RISCO DE MORTE EM 18%


10 PASSOS PARA ABRIR SUA CAFETERIA


COCA-COLA INVESTE EM CAFÉS ESPECIAIS NO BRASIL COM CAFÉS BRASILEIROS


MOTOCICLETAS ADAPTADAS PODEM AUXILIAR NOS TRATOS DAS LAVOURAS DE CAFÉ


CAFÉ: PREÇO SOBE, MAS COMERCIALIZAÇÃO É LENTA


EXPORTAÇÃO DE CAFÉ DO BRASIL FICA PRATICAMENTE ESTÁVEL NA 1ª QUINZENA DE JULHO APÓS FORTE QUEDA NO ANO SAFRA 2016/17


ABIC LANÇA APLICATIVO PARA CONSULTA DO CONSUMIDOR AOS CAFÉS CERTIFICADOS


BROCA-DO-CAFÉ PODE EXPLODIR NOS CAFEZAIS DO BRASIL, SAINDO DO CONTROLE


SCA CONVIDA TORREFADORES ESPECIALIZADOS E VAREJISTAS PARA PESQUISA GLOBAL


EXPORTAÇÃO DE CAFÉ DO BRASIL CAI 7,4% EM 2016/17, DIZ CECAFÉ


SAFRA 2017/2018: IBGE MANTÉM ESTÁVEL A PRODUÇÃO DE CAFÉ DO BRASIL


CAFÉ/OIC: PAÍSES EXPORTADORES TÊM GRANDES ESTOQUES PARA MÊS “CRÍTICO” DE JULHO


EVENTO DE CAFÉ APRESENTARÁ AÇÕES DE COMBATE A MUDANÇAS CLIMÁTICAS


RECOMENDAÇÕES PARA A PRODUÇÃO DE CAFÉS ESPECIAIS - ORIENTAÇÃO DO INCAPER


"NÃO HÁ RISCOS PARA O CAFÉ NESTE INVERNO", AFIRMA METEOROLOGISTA


EM VISITA AO BRASIL, DIRETORA INTERNACIONAL DA ASSOCIAÇÃO APRESENTOU AÇÕES, DESAFIOS E METAS


CAFÉ VERDE: EXPORTAÇÕES CAEM 7,7% EM COMPARAÇÃO COM JUNHO DE 2016


COLHEITA DE CAFÉ NO BRASIL CHEGA A 44%, INFORMA SAFRAS & MERCADO


SAFRA 2018: PRODUTORES NÃO DEVEM SE PRENDER EM ESPECULAÇÕES, DIZ CNC


COMISSÃO DE AGRICULTURA APROVOU PARECER DE MELLES QUE RESTRINGE IMPORTAÇÃO DE CAFÉ


ALERTA AO MERCADO: QUEDA DE RENDIMENTO DO CAFÉ ESTÁ ASSUSTANDO OS PRODUTORES


CAFÉ: CONTROLE DA BROCA TEM QUE COMEÇAR JÁ NA COLHEITA


PRIMEIRA CAFETERIA SERVIDA POR PESSOAS COM SÍNDROME DE DOWN É ABERTA EM SP


CNC DEFENDE QUE RECURSOS DO FUNCAFÉ SEJAM APLICADOS APENAS NO SETOR


CAFÉ: COTAÇÕES DO ARÁBICA NA BOLSA DE NOVA YORK OPERAM COM LEVE BAIXA NESTA MANHÃ DE 6ª


CRISE POLÍTICA AFUNDA O REAL E PRESSIONA O CAFÉ


QUARTA-FEIRA, 24 DE MAIO, É O DIA NACIONAL DO CAFÉ


EMPRESA QUER IMPLANTAR TRANSPORTE DO CAFÉ POR TREM DO SUL DE MINAS PARA PORTOS DO RJ E SP


CAFÉ: BOLSA DE NY ESTENDE GANHOS NESTA MANHÃ DE 2ª EM AJUSTES APÓS QUEDA ACUMULADA DE MAIS 2% SEMANA PASSADA


CAFÉ: BOLSA DE NOVA YORK REALIZA AJUSTES NESTA MANHÃ 6ª FEIRA APÓS PERDAS DA VÉSPERA


CONAB: SAFRA DE CAFÉ RECUA E PREVISÃO É DE 45,5 MILHÕES DE SACAS


CLIMA PODE FAVORECER SECAGEM DO CAFÉ


CAFÉ: EM AJUSTES, COTAÇÕES DO ARÁBICA NA BOLSA DE NOVA YORK OPERA COM LEVE ALTA NESTA MANHÃ DE TERÇA


SUL DE MINAS GERAIS TEVE CHUVAS ABAIXO DA MÉDIA EM ABRIL, APONTA FUNDAÇÃO PROCAFÉ


VENDAS DE CAFÉ FAZEM PRODUTO SER RESPONSÁVEL POR 48,3% DAS EXPORTAÇÕES DE MG EM 2017


COBRE É A OPÇÃO PARA RETENÇÃO FOLIAR DURANTE A COLHEITA DO CAFÉ


MAIOR FEIRA NACIONAL DA CAFEICULTURA TERÁ PROGRAMAÇÃO DIVERSIFICADA E MELHORIA NA ESTRUTURA


RECOMENDAÇÕES PARA A PRÉ-COLHEITA DO CAFÉ


ATENÇÃO: DEVE CHOVER NA PRÓXIMA SEMANA NAS PRINCIPAIS REGIÕES DE CAFÉ


VARIEDADE DE PLANTA IMUNE À FERRUGEM PROMETE LIVRAR LAVOURAS DE CAFÉ DA DOENÇA EM MG


CAFEICULTOR PODE CONTABILIZAR PREJUÍZOS COM A SAFRA DE CAFÉ


PRODUÇÃO DE CAFÉ AUMENTA 13 VEZES EM QUASE 50 ANOS NO SUL DE MINAS


CAFÉ ESPECIAL: ROAD SHOW NA AUSTRÁLIA PODE RENDER MAIS DE US$ 11 MILHÕES AO BRASIL


CAFEICULTURA ANTECIPA E AUMENTA RECURSOS PARA A SAFRA


CNC ORIENTA QUE CAFEICULTORES NÃO ABRAM NOVAS LAVOURAS NO BRASIL


SAFRA DE CAFÉ EM 2017 PODE FICAR ENTRE 43 MILHÕES E 47 MILHÕES DE SACAS


CAFEZINHO BRASILEIRO VIRA PAIXÃO NACIONAL EM OUTRO PAÍS BEM DISTANTE, A NORUEGA


CAFÉ: COBERTURA MORTA É ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO SOLO


MINISTÉRIO DA AGRICULTURA ELEVA PREÇOS MÍNIMOS DO CAFÉ PARA SAFRA 2017/18


OCORRÊNCIA DE EL NIÑO NESTE ANO PODE MINIMIZAR EXPECTATIVAS DE RECOMPOSIÇÃO DOS ESTOQUES GLOBAIS DE CAFÉ


DÉFICIT "ASSUSTADOR" NA PRODUÇÃO DE CAFÉ EM 2017/18 PODE ESTIMULAR AUMENTO DE PREÇOS, DIZ MAREX SPECTRON


IBGE PROJETA SAFRA BRASILEIRA DE 45,6 MILHÕES DE SACRAS


CÂMARA APROVA PROJETO QUE CRIA POLÍTICA NACIONAL DE CAFÉ DE QUALIDADE


CNC PEDE AGILIDADE NA APROVAÇÃO DE NOVOS PRODUTOS DE COMBATE À BROCA


FÓRUM ABISOLO 2017 - ABISOLO CRIA PROJETO PILOTO COM O INPEV PARA DAR DESTINAÇÃO CORRETA PARA EMBALAGENS DE FERTILIZANTES ESPECIAIS


BRASIL IMPORTANDO CAFÉ: MEDIDA POLÊMICA É CONSIDERADA UMA HERESIA PARA MUITA GENTE


ACS BUSCA PARCERIA COM PORTO DA ESPANHA, 10º PRINCIPAL DESTINO DE CAFÉS BRASILEIROS


INDÚSTRIA ABSORVE NOVA RODADA DE VENDAS DOS FUNDOS


COM CRESCIMENTO ACELERADO, STARBUCKS PROMETE EXPANSÃO


COMEÇA PESQUISA ANUAL DE ESTOQUES PRIVADOS DE CAFÉ


FATURAMENTO BRUTO DA LAVOURA DE CAFÉ NO BRASIL É ESTIMADO


QUAIS OS RISCOS CLIMÁTICOS QUE O CAFÉ PODE ENFRENTAR NO SUL DE MINAS?


CNA ALERTA PARA A POSSIBILIDADE DE REABERTURA DO PRAZO PARA RENEGOCIAÇÃO DOS CONTRATOS DA CAFEICULTURA TRANSFERIDOS PARA DÍVIDA ATIVA DA UNIÃO


ESTOQUE PÚBLICO DE CAFÉ ARÁBICA DEVE CHEGAR AO FIM EM PRÓXIMOS LEILÕES


DEPUTADO ANTÔNIO CARLOS ARANTES (PSDB) É ELEITO PRESIDENTE DA COMISSÃO DE AGROPECUÁRIA


BRASILEIRO JOSÉ SETTE É ELEITO DIRETOR DA ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO CAFÉ


VELHAS RESPOSTAS PARA NOVAS PERGUNTAS


MINISTRO DA INDÚSTRIA ANALISA POSSÍVEL IMPORTAÇÃO E PEDE INFORMAÇÕES DO SETOR CAFEEIRO


GOVERNO DE MICHEL TEMER PODE FICAR NA HISTÓRIA POR PREJUDICAR MILHARES DE CAFEICULTORES


SAÍDA DOS EUA DE TPP AMENIZA RECEIO DE EXPORTADOR AGRÍCOLA


PARA CUSTEAR SAFRA, CAFEICULTORES FORAM OS MAIORES TOMADORES DE CRÉDITO EM DEZEMBRO EM MINAS





COOPERCAM - COOPERATIVA DOS CAFEICULTORES DE CAMPOS GERAIS E CAMPO DO MEIO LTDA.
Av. Dr. Alfredo Barbalho Cavalcanti, 505, Barro Preto - CEP: 37160-000 - Campos Gerais - Minas Gerais - Brasil - Desenvolvimento: SAKEY