CAFÉ: COBERTURA MORTA É ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO SOLO




O uso desses recursos pode evitar perdas na produção por déficit hídrico e melhorar a nutrição do solo.

Deixar o solo das lavouras de café completamente limpo não é a melhor opção para manter o cafezal bem nutrido e evitar perdas na produção em decorrência do déficit hídrico. Segundo o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), a utilização de cobertura morta com recursos internos da propriedade pode ser uma excelente alternativa para manter a conservação do solo e ampliar a infiltração de água.

No município de São Gabriel da Palha (ES), agricultores têm seguido a recomendação do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) e obtido resultados satisfatórios. A família do senhor Zilto Acerbi, da comunidade de São Jorge da Barra Seca, possui 15 hectares de café e utiliza a cobertura morta em sua lavoura. São utilizados restos vegetais da poda e da desbrota do café, assim como a palha gerada no processo de beneficiamento do produto.

Segundo Edney Acerbi, filho do proprietário, eles utilizam a cobertura morta há alguns anos e os resultados são muito benéficos. “De primeira mão, percebemos os efeitos no solo. Passamos a trabalhar com um solo muito mais enriquecido e a incorporação da matéria orgânica ficou visível. Dessa forma, há menos necessidade de adubação e a absorção de água é maior. É possível ver o resultado na planta a cada renovação da cobertura morta”, diz Acerbi.

Recursos da propriedade

O engenheiro agrônomo do Incaper e extensionista João Luís Perinni explicou que a cobertura morta é qualquer resto vegetal que você coloca na lavoura. “Na maioria das propriedades, utilizam-se os recursos internos disponíveis no local, a fim de não gerar custos”, afirma Perinni.

O especialista informou que na região norte do estado usa-se muito a palha do café, resíduo que não pode ficar nas unidades de secagem e precisa de destinação correta por questões ambientais. Outro resíduo gerado de forma bastante elevada são os da poda ou desbrota do café. “Tanto a poda quanto a desbrota geram, naturalmente, muitos resíduos que podem ser distribuídos no meio da lavoura”, diz.

Além de proteger o solo e economizar água, a cobertura morta proporciona a reciclagem de nutrientes no solo. “A planta absorve nutrientes do solo, que são devolvidos por meio da casca do café e dos restos vegetais, que se decompõem e fornecem novos nutrientes para as plantas. Com isso, você vai ter uma proteção do sistema radicular e consequentemente uma nutrição melhor para o seu cafeeiro”, explicou o agrônomo.

Segundo informações da Incaper, ele acrescentou que o produtor deve verificar, por meio de análise de folha e solo, se há necessidade de complementação de nutrientes. “Um dos benefícios da cobertura morta é que a matéria orgânica ajuda a diminuir o investimento do produtor em adubo”, diz João Luís.

Proteção contra a seca

O agricultor Edney Acerb disse que no período de longa estiagem pela qual passou a região Norte do Espírito Santo houve grande mortalidade de plantas e queda na produtividade das lavouras. As lavouras dessa família, porém, mantiveram e até superaram a produtividade em relação a dos agricultores que não utilizam a cobertura morta.

“Tivemos que restringir o uso da irrigação devido à seca, mas nossas lavouras superaram as expectativas e o resultado foi muito bom principalmente nos solos mais protegidos”. A produtividade de suas lavouras cafeeiras no período de seca foi de 70 a 80 sacas por hectare. Em um ano normal, a produtividade nessa propriedade chegou a 145 sacas por hectare.

“Os solos da nossa região foram erodidos e a capacidade de infiltração de água reduziu muito. Por isso, é importante colocar cobertura morta ou cobertura viva e fazer alguma proteção desse solo para que a chuva não escorra e se perca. A água infiltrada vai abastecer o lençol freático, o qual vai dar perenidade às nascentes”, explicou João Luís.

Ele destacou o trabalho de conscientização dos agricultores em relação à conservação de água e solo realizado pelo Incaper na região Norte do Estado, profundamente atingida pela crise hídrica nos últimos três anos. “Os produtores achavam que tinham que deixar o solo das lavouras limpo igual ao quintal da própria casa. Isso foi acabando com a infiltração da água. Porém, é preciso entender que mato no meio do café é totalmente diferente de café no meio do mato. Tem que ter mato no meio do café. Se o agricultor mantiver o mato baixo, controlado só traz benefícios para a lavoura”, explicou João Luís.

Cobertura morta no cafezal

O agricultor Edney Acerb, que utiliza os 13 clones da variedade Vitória desenvolvida pelo Incaper, explicou o passo a passo da implantação da cobertura morta nas suas lavouras de café. “Após a colheita, o grão é levado até o secador, onde ocorre o beneficiamento do café. A palha gerada nesse processo retorna para a lavoura e é espalhada nos trilhos do cafezal após o final da colheita, quando também ocorre a poda. Os galhos que não serão utilizados na próxima safra e os brotos retirados dos pés de café durante o ano são descartados no meio da lavoura”, explicou Acerb.

Ele disse que, logo no início, o agricultor pode achar que essa dinâmica dá mais trabalho. Porém, para quem já faz isso há algum tempo facilita o trabalho. “A lavoura fica bem nutrida, brota menos e adoece menos. Sendo assim, usa-se menos agrotóxico e adubação. Eu vejo pelas minhas análises de solo que a cada ano os resultados são melhores. Além disso, você protege o solo de uma erosão”, disse Edney.

(Fonte: SF Agro via Cafeicultura)




CAFÉ: COTAÇÕES DO ARÁBICA NA BOLSA DE NOVA YORK OPERAM COM LEVE BAIXA NESTA MANHÃ DE 6ª


CRISE POLÍTICA AFUNDA O REAL E PRESSIONA O CAFÉ


QUARTA-FEIRA, 24 DE MAIO, É O DIA NACIONAL DO CAFÉ


EMPRESA QUER IMPLANTAR TRANSPORTE DO CAFÉ POR TREM DO SUL DE MINAS PARA PORTOS DO RJ E SP


CAFÉ: BOLSA DE NY ESTENDE GANHOS NESTA MANHÃ DE 2ª EM AJUSTES APÓS QUEDA ACUMULADA DE MAIS 2% SEMANA PASSADA


CAFÉ: BOLSA DE NOVA YORK REALIZA AJUSTES NESTA MANHÃ 6ª FEIRA APÓS PERDAS DA VÉSPERA


CONAB: SAFRA DE CAFÉ RECUA E PREVISÃO É DE 45,5 MILHÕES DE SACAS


CLIMA PODE FAVORECER SECAGEM DO CAFÉ


CAFÉ: EM AJUSTES, COTAÇÕES DO ARÁBICA NA BOLSA DE NOVA YORK OPERA COM LEVE ALTA NESTA MANHÃ DE TERÇA


SUL DE MINAS GERAIS TEVE CHUVAS ABAIXO DA MÉDIA EM ABRIL, APONTA FUNDAÇÃO PROCAFÉ


VENDAS DE CAFÉ FAZEM PRODUTO SER RESPONSÁVEL POR 48,3% DAS EXPORTAÇÕES DE MG EM 2017


COBRE É A OPÇÃO PARA RETENÇÃO FOLIAR DURANTE A COLHEITA DO CAFÉ


MAIOR FEIRA NACIONAL DA CAFEICULTURA TERÁ PROGRAMAÇÃO DIVERSIFICADA E MELHORIA NA ESTRUTURA


RECOMENDAÇÕES PARA A PRÉ-COLHEITA DO CAFÉ


ATENÇÃO: DEVE CHOVER NA PRÓXIMA SEMANA NAS PRINCIPAIS REGIÕES DE CAFÉ


VARIEDADE DE PLANTA IMUNE À FERRUGEM PROMETE LIVRAR LAVOURAS DE CAFÉ DA DOENÇA EM MG


CAFEICULTOR PODE CONTABILIZAR PREJUÍZOS COM A SAFRA DE CAFÉ


PRODUÇÃO DE CAFÉ AUMENTA 13 VEZES EM QUASE 50 ANOS NO SUL DE MINAS


CAFÉ ESPECIAL: ROAD SHOW NA AUSTRÁLIA PODE RENDER MAIS DE US$ 11 MILHÕES AO BRASIL


CAFEICULTURA ANTECIPA E AUMENTA RECURSOS PARA A SAFRA


CNC ORIENTA QUE CAFEICULTORES NÃO ABRAM NOVAS LAVOURAS NO BRASIL


SAFRA DE CAFÉ EM 2017 PODE FICAR ENTRE 43 MILHÕES E 47 MILHÕES DE SACAS


CAFEZINHO BRASILEIRO VIRA PAIXÃO NACIONAL EM OUTRO PAÍS BEM DISTANTE, A NORUEGA


CAFÉ: COBERTURA MORTA É ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO SOLO


MINISTÉRIO DA AGRICULTURA ELEVA PREÇOS MÍNIMOS DO CAFÉ PARA SAFRA 2017/18


OCORRÊNCIA DE EL NIÑO NESTE ANO PODE MINIMIZAR EXPECTATIVAS DE RECOMPOSIÇÃO DOS ESTOQUES GLOBAIS DE CAFÉ


DÉFICIT "ASSUSTADOR" NA PRODUÇÃO DE CAFÉ EM 2017/18 PODE ESTIMULAR AUMENTO DE PREÇOS, DIZ MAREX SPECTRON


IBGE PROJETA SAFRA BRASILEIRA DE 45,6 MILHÕES DE SACRAS


CÂMARA APROVA PROJETO QUE CRIA POLÍTICA NACIONAL DE CAFÉ DE QUALIDADE


CNC PEDE AGILIDADE NA APROVAÇÃO DE NOVOS PRODUTOS DE COMBATE À BROCA


FÓRUM ABISOLO 2017 - ABISOLO CRIA PROJETO PILOTO COM O INPEV PARA DAR DESTINAÇÃO CORRETA PARA EMBALAGENS DE FERTILIZANTES ESPECIAIS


BRASIL IMPORTANDO CAFÉ: MEDIDA POLÊMICA É CONSIDERADA UMA HERESIA PARA MUITA GENTE


ACS BUSCA PARCERIA COM PORTO DA ESPANHA, 10º PRINCIPAL DESTINO DE CAFÉS BRASILEIROS


INDÚSTRIA ABSORVE NOVA RODADA DE VENDAS DOS FUNDOS


COM CRESCIMENTO ACELERADO, STARBUCKS PROMETE EXPANSÃO


COMEÇA PESQUISA ANUAL DE ESTOQUES PRIVADOS DE CAFÉ


FATURAMENTO BRUTO DA LAVOURA DE CAFÉ NO BRASIL É ESTIMADO


QUAIS OS RISCOS CLIMÁTICOS QUE O CAFÉ PODE ENFRENTAR NO SUL DE MINAS?


CNA ALERTA PARA A POSSIBILIDADE DE REABERTURA DO PRAZO PARA RENEGOCIAÇÃO DOS CONTRATOS DA CAFEICULTURA TRANSFERIDOS PARA DÍVIDA ATIVA DA UNIÃO


ESTOQUE PÚBLICO DE CAFÉ ARÁBICA DEVE CHEGAR AO FIM EM PRÓXIMOS LEILÕES


DEPUTADO ANTÔNIO CARLOS ARANTES (PSDB) É ELEITO PRESIDENTE DA COMISSÃO DE AGROPECUÁRIA


BRASILEIRO JOSÉ SETTE É ELEITO DIRETOR DA ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO CAFÉ


VELHAS RESPOSTAS PARA NOVAS PERGUNTAS


MINISTRO DA INDÚSTRIA ANALISA POSSÍVEL IMPORTAÇÃO E PEDE INFORMAÇÕES DO SETOR CAFEEIRO


GOVERNO DE MICHEL TEMER PODE FICAR NA HISTÓRIA POR PREJUDICAR MILHARES DE CAFEICULTORES


SAÍDA DOS EUA DE TPP AMENIZA RECEIO DE EXPORTADOR AGRÍCOLA


PARA CUSTEAR SAFRA, CAFEICULTORES FORAM OS MAIORES TOMADORES DE CRÉDITO EM DEZEMBRO EM MINAS





COOPERCAM - COOPERATIVA DOS CAFEICULTORES DE CAMPOS GERAIS E CAMPO DO MEIO LTDA.
Av. Dr. Alfredo Barbalho Cavalcanti, 505, Barro Preto - CEP: 37160-000 - Campos Gerais - Minas Gerais - Brasil - Desenvolvimento: SAKEY